Academias
Acessórios para Motoclicistas
Acessórios para Profissionais de Beleza
Açougues
Adestramento
Administração Condomínios
Advocacias
Agências de Turismo
Agencias de Veículos
Água Mineral
Alarmes para Autos
Aparelhos Ortopédicos
Ar Condicionado
Aramados
Artigos do Lar
Artigos Esportivos
Associações
Atacadistas
Auto Escolas
Automação Industrial
Automóveis - Revendas
Aviamentos
Balcões e Vitrines
Bancos
Banho e Tosa
Bares e Restaurantes
Bazares e Papelarias
Bicicletarias
Bijouterias
Boliche
Bolos Caseiros
Bombonieri
Box para Banheiros
Buffets
Cafeterias
Calçados e Bolsas
Câmaras Frias
Caminhões - Revendas
Casas de Repouso
Casas Lotericas
Celulares Assistencia
Centro Automotivo
Centro de Formação de Condutores
CFTV
Chaveiro
Churrascarias
Cirurgia Plástica
Clinicas
Colchoes
Concessionária
Confecções Finas
Conserto e Locação de Máquinas em Geral
Construtora
Consultorias e Assessorias
Cosméticos Profissionais
Cursos de Idiomas
Cursos Profissionalizantes
Dentistas
Displays
Docerias
Drogaria
Eletrodomésticos
Emprestimos
Envelopamento de Autos
Envidraçamento de Fachadas
Escola de Formação de Cabelereiros
Escola de Música
Escolas de Dança
Esfiharias
Espetinhos
Estantes em Aço
Estofados
Farmácia de Manipulação
Farmácias e Drogarias
Fast-Food
Ferramentas
Fisioterapia
Floriculturas
Fonoaudiologos
Frigoríficos
Gôndolas
Gôndolas
Hamburguerias
Hospitais Veterinarios
Igrejas
Iluminação
Imobiliárias
Instalação de Alarmes
Instalações Comerciais
Instituição Financeira
Internet
Joias e Relogios
Laboratórios
Lanchonetes
Laticínios
Lava Motos
Lava Rápidos
Lavanderias
Lingeries
Linhas aéreas
Livrarias
Loja de Brinquedos
Loja de Motos
Loja de Videgame
Mangueiras
Manutenção de Computadores
Máquinas e Equipamentos Industriais
Marcenaria
Materiais para Construção
Mecânica de Motos
Mecânicas de Autos
Mercearias
Moda e Vestiários
Modulados
Monitoramento de Alarmes
Monitoramento de Imagens
Motoboys
Motos - Revendas
Móveis Panejados
Móveis para Casa
Moveis para Escritórios
ONG Proteção de Animais
Óticas e Fotos
Panificadoras
Papelaria
Parafusos
Peças para motos
Peças para Vans
Perfumes
Pesca - Artigos
Pet Shop
Pimentas
Pisos e Azulejos
Pizzarias
Planos de Saude
Pneus para autos
Podólogos
Prateleiras
Produtos e Acessórios para Podologos
Produtos Naturais
Produtos para Manicures
Quitanda
Ração para Animais
Redes para Computadores
Reforço Escolar
Refrigeração - Manutenção
Refrigeração Comercial
Refrigeração Industrial
Restaurantes
Revenda de Peças e Acessórios p/Veículos
Salão de Beleza e Estética
Salão de Festas
Seguros
Serviços de Eletricidade
Serviços de Portaria e Recepção
Serviços Gerais
Serviços Imobiliários
Sites e Lojas Virtuais
Som e acessórios
Sorveterias
Supermercados
Tapeçaria
Terceirização de Serviços
Uniformes Profissionais
Utilitários - Revendas
Variedades
Venda de Máquinas em Geral
Veterinarios
Vidraçarias
VOIP
Web Designers
  História do Bairro  
 

 

 

História da Cidade de São Paulo

 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 
 
Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa

A história da Cidade de São Paulo ocorre paralelamente à história do Brasil, ao longo de aproximadamente 465 anos de sua existência, contra os mais de quinhentos anos do país. Todavia tenha sido marcada por uma relativa inexpressividade, seja do ponto de vista político ou econômico, durante os primeiros três séculos desde sua fundação, São Paulo destacou-se em diversos momentos como cenário de variados e importantes momentos de ruptura na história do país.

São Paulo surgiu como missão jesuítica, em 25 de janeiro de 1554, reunindo em seus primeiros territórios habitantes de origem tanto europeia quanto indígena. Com o tempo, o povoado acabou caracterizando-se como entreposto comercial e de serviços de relativa importância regional. Esta característica de cidade comercial e de composição heterogênea vai acompanhar a cidade em toda a sua história, e atingirá o seu ápice após o espetacular crescimento demográfico e econômico advindo do ciclo do café e da industrialização, que elevariam São Paulo ao posto de maior cidade do país.

Em 1532, Martim Afonso de Sousa fundou, o litoral de São Paulo, a primeira vila brasileira,de São Vicente. Donatário da capitania de São Vicente, Martim Afonso incentiva a ocupação da região e outras vilas são criadas no litoral (Itanhaém, 1532; Santos, 1546). Poucos anos depois, vencida a barreira representada pela serra do Mar, os colonizadores portugueses avançam pelo planalto Paulista, estabelecendo novos povoados. Em 1553, João Ramalho, que vivia no planalto desde antes da criação de São Vicente, funda a vila de Santo André da Borda do Campo, situada no caminho do mar (atual região do ABC paulista). Explorador português, João Ramalho era casado com a índia Bartira. Esta, por sua vez, era filha do cacique Tibiriçá, chefe da tribo dos tupiniquins.[1] João Ramalho encontrava-se, dessa forma, apto a exercer a função de intermediário dos interesses portugueses junto aos indígenas.

Fundação

 

Fundação de São Paulo, 1913. Pintura de Antônio Parreiras.

Interessado em estabelecer um local onde pudesse catequizar os indígenas longe da influência dos homens brancos, o padre Manuel da Nóbrega, superior da Companhia de Jesus no Brasil, observou que uma região próxima, localizada sobre um planalto, seria o ponto ideal, então chamado de Piratininga. Em 29 de agosto de 1553, padre Nóbrega fez 50 catecúmenosentre os nativos, o que fez aumentar a vontade de fundar um colégio jesuíta no Brasil.

Embora a busca da catequese sem a influência do homem branco fosse um objetivo, o que precipitou a mudança para o planalto foi a necessidade de resolver o problema de alimentação dos indígenas que estavam sendo doutrinados, como afirma o padre Anchieta.

Para sustento destes meninos, a farinha de pau era trazida do interior, da distância de 30 milhas. Como era muito trabalhoso e difícil por causa da aspereza do caminho, ao nosso Padre (padre Manuel da Nóbrega) pareceu melhor no Senhor mudarmo-nos para esta povoação de índios, que se chama Piratininga.

Em janeiro de 1554, um grupo de jesuítas, comandado pelo padre Manuel da Nóbrega e auxiliado pelo igualmente jesuíta José de Anchieta[6], chega ao planalto, auxiliado por João Ramalho. Com o objetivo de catequizar os índios que viviam na região, os jesuítas erguem um barracão de taipa de pilão, em uma colina alta e plana, localizada entre os rios TietêAnhangabaú e Tamanduateí, com a anuência dos chefes indígenas locais, como o cacique Tibiriçá, que comandava uma aldeiade tupiniquins nas proximidades, e o chefe Tamandiba.[7] Em 25 de janeiro daquele ano, dia em que se comemora a conversão do apóstolo Paulo, o padre Manuel de Paiva celebra a primeira missa na colina. A celebração marcou o início da instalação dos jesuítas no local, e entrou para a história como o nascimento da cidade de São Paulo. Dois anos depois, os padres erguem uma igreja – a primeira edificação duradoura do povoado. Em seguida, ergueram o colégio e o pavilhão com os aposentos. Destas construções originais, resta apenas uma parede de taipa, onde hoje encontra-se o Pátio do Colégio.

 

Quadro Fundação de São Paulo, produzido em 1909 por Oscar Pereira da Silva.

Ao redor do colégio, formou-se uma pequena povoação de índios convertidos, jesuítas e colonizadores portugueses. Em 1560, a população do povoado seria expressivamente ampliada, quando, por ordem de Mem de Ságovernador-geral da colônia, os habitantes da vila de Santo André da Borda do Campo são transferidos para os arredores do colégio. A vila de Santo André é extinta, e o povoado é elevado a esta categoria, com o nome de "Vila de São Paulo de Piratininga". Por ato régio, é criada, no mesmo, ano, sua Câmara Municipal, então chamada "Casa do Conselho". É provavelmente nesse mesmo ano de 1560 que é criada a "Confraria da Misericórdia de São Paulo" (atual Santa Casa de Misericórdia).

Em 1562, incomodados com a aliança entre tupiniquins e portugueses, os índios tupinambás, unidos na Confederação dos Tamoios, lançam uma série de ataques contra a vila em 9 de julho,[8] no episódio conhecido como Cerco de Piratininga. A defesa organizada por Tibiriçá e João Ramalho impede que os tupinambás entrem em São Paulo, e os obriga a recuar, em 10 de julho do mesmo ano.

Ainda em 1590, com a iminência de um novo ataque a cidade novamente se prepara com obras de defesa, e é claro que nesse ambiente cheio de incertezas a prosperidade se torna impossível. Mas na virada do século XVII a situação se acalma e se consolida o povoamento, nas palavras de Alcântara Machado:

Afinal, com o recuo, a submissão e o extermínio do gentio vizinho, mais folgada se torna a condição dos paulistanos e começa o aproveitamento regular do chão. Deste, somente deste, podem os colonos tirar sustento e cabedais [bens materiais]. É nulo, ou quase nulo, o capital com que iniciam a vida. Entre eles não há representantes das grandes casas peninsulares [famílias do Reino], nem da burguesia dinheirosa. Certo que alguns se aparentam com a pequena nobreza do reino. Mas, se emigram para província tão áspera e distante, é exatamente porque a sorte lhes foi madrasta na terra natal. Outros, a imensa maioria, são homens do campo, mercadores de recursos limitados, artífices aventureiros de toda casta, seduzidos pelas promessas dos donatários ou pelas possibilidades com que lhes acena o continente novo.

Ocupação da Cidade

Desde o início, a ocupação das terras da cidade se deu de forma policêntrica, com diversos aldeamentos, principalmente jesuítas mas também de outras ordens eclesiásticas, em torno das quais iniciavam-se as aglomerações. A motivação mais natural para isso, em São Paulo, era o relevo da cidade, com muitos aclives e riachos. A organização urbana, da mesma forma que em toda a colônia, era centrada, administrativa e eclesiasticamente, nas paróquias. Cada paróquia era centrada em uma capela.

A primeira paróquia foi, naturalmente, a Freguesia da Sé, fundada em 1589. Conforme os demais núcleos foram crescendo, eles desmembraram-se, com novas capelas ganhando status de paróquia. As paróquias desmembradas do centro foram:

Além dessas, houve diversos aldeamentos mais distantes. Dentre eles, apenas dois prosperaram: o de Pinheiros e o de São Miguel, ambos fundados por José de Anchieta em 1560[10]. Diversos aldeamentos foram dizimados pela varíola, dentre os quais podemos citar: ItaquaquecetubaMboyItapecericaBarueriGuarapirangaCarapicuíbaIbirapuera e Guarulhos.

São desta época os primeiros caminhos: o que ia ao Campo do Guaré (hoje chamado bairro da Luz) tornou-se a atual Florêncio de Abreu. Os outros dois dariam origem às hoje denominadas rua 15 de Novembro e rua Direita.

Também no século XVI são fundadas novas igrejas: a Matriz, em 1588 (primeiro protótipo da Sé paulistana), a de Nossa Senhora do Carmo, de 1592 (demolida em 1928), a Igreja de Santo Antônio (ainda hoje na Praça do Patriarca), e a capela de Nossa Senhora da Assunção, por volta de 1600 (que daria origem ao atual Mosteiro de São Bento). Um viajante chegando à cidade nas primeiras décadas do século XIX veria algo como:

Depois de ultrapassar a Igreja da Penha sobre sua pequena colina, ele descortinaria, ao longe, o sítio inteiro da cidade. Sobreposta sobre outra colina, São Paulo apareceria-lhe dominado pelas torres de suas oito igrejas, seus dois conventos e seus três mosteiros. Era ainda necessário caminhar quase nove quilômetros, atravessar o pequeno aglomerado formado em torno da Igreja do Brás, passar o sítio pantanoso do Carmo, cruzar a ponta lançada sobre o Riacho do Tamanduateí para chegar afinal ao centro urbano.

A base da alimentação nos primeiros tempos era formada pela canjica, ensinada pelo índio, e o angu de fubá ou de farinha de milho e de mandioca. Convenientemente que esses alimentos não precisavam de sal, que naquela época era raro. A mandioca, que era o principal alimento no início do aldeamento, foi aos poucos sendo superada pelo milho. O trigo, embora desse bem na região, não foi muito utilizado no início - apenas para hóstias e bolinhos - devido a facilidade de se obter a mandioca e o milho. Apenas nos primeiros anos do século dezessete que se iniciou uma produção maior de trigo, com pelo menos cinquenta plantadores de trigo no planalto e diversas licenças da Câmara para os moradores fazerem seus próprios moinhos.

Além desses alimentos-base, poderia-se encontrar frutas bravas e selvagens, palmitos e outros alimentos encontrados nas roças dos índios[12], bem como muitas frutas européias como maçãs, pêssegos, amoras, melões e melancias.[13] A cultura da vinha também teve desenvolvimento nos primeiros anos, sendo que se encontrava sempre muito vinho na vila, a não ser quando os comerciantes espertos tentavam o açambarcamento. Esses vinhos muitas vezes eram utilizados como remédio, servindo de veículos para plantas medicinais. O mesmo se dava com a cachaça que era produzida na região.

Os bandeirantes

 

Estudo da Partida da Monção, 1897. Pintura de Almeida Júnior.

No século XVII (17), as atividades econômicas da vila limitavam-se quase que exclusivamente à agricultura de subsistência. A produção e exportação de açúcar não tinha grande desenvolvimento, embora crescessem outros cultivos nos arredores da vila, como o de trigomandioca e milho, além da criação de gado. Não obstante, São Paulo permanecia como um núcleo de povoamento pobre e isolado das áreas mais dinâmicas da colônia. Assim, já nas primeiras décadas do século, os paulistas começaram a organizar as bandeiras – grandes expedições que partiam em direção aos sertões inexplorados da colônia, em busca de mão-de-obra indígena, pedras e metais preciosos. Em pouco tempo, os bandeirantes se tornariam os grandes responsáveis pela ampliação dos limites das fronteiras da colônia, incorporando ao território do Brasil inúmeras áreas que, de acordo com o Tratado de Tordesilhas, pertenciam à Espanha.

Os bandeirantes se tornariam figuras centrais na história política de São Paulo no século XVII (17), e a autoridade local dos exploradores por vezes sobrepujava os interesses da Igreja Católica e da própria coroa portuguesa. Em 1640, a forte oposição dos jesuítas à captura e comercialização da mão-de-obra indígena promovida pelos bandeirantes levou a uma série de conflitos entre os dois grupos, que culminariam, em 13 de julho daquele ano, com a expulsão dos jesuítas de São Paulo, medida que teve apoio dos comerciantes da vila. Os jesuítas só obteriam permissão para retornar a São Paulo em 1653.

 

Aclamação de Amador Bueno, 1909. Pintura de Oscar Pereira da Silva.

É também na vila de São Paulo que se registra, no mesmo ano de 1640, o primeiro movimento nativista do Brasil, a chamada "Aclamação de Amador Bueno". Com o fim da Guerra da Restauração, em que Portugal restabeleceu sua independência política da Espanha, os moradores de São Paulo, principalmente bandeirantes e comerciantes, temiam ser prejudicados, já que haviam se beneficiado economicamente do contrabando de índios na região do rio da Prata durante as décadas em que vigorou a União Ibérica. Como forma de protesto, declararam São Paulo reino independente, e Amador Buenocapitão-mor, rico morador da vila e irmão do bandeirante Francisco Bueno, é aclamado como rei. Amador Bueno, no entanto, rejeita o título e jura fidelidade à coroa portuguesa, encerrando o levante.

Em um primeiro momento, a concentração da atividade bandeirista em São Paulo fomentou, ainda que de forma tímida, a atividade econômica da vila, que ensaia exercer, pela primeira vez, a posição de entreposto comercial. Alguns bandeirantes, enriquecidos com o comércio de escravos indígenas, faziam benfeitorias na vila. 

QUER CONTINUAR LENDO? ACESSE O LINK:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_cidade_de_S%C3%A3o_Paulo

 
 
Sites "Gratis" para nossos anunciantes
Anuncie em nosso Mega Portal e ganhe um site responsivo com Painel Administrativo para você mesmo mantê-lo sempre atualizado sem nenhum custo.
 
Pesquisadores descobrem que os cachorro...
Ressonância magnética revelou que a parte do cérebro...
Saiba Mais
Maio mês das noivas!!!
Por que maio é o mês das noivas?
Saiba Mais
Templo de Salomao
O plano da Igreja Universal do Reino de Deus de tran...
Saiba Mais
Atleta paralímpica vira modelo e surpre...
Usando muletas, Marinalva Almeida, 37, percorreu 21 ...
Saiba Mais
 
O Site
Home
Quem Somos
História do Bairro
Política de Privacidade
Vantagens
Fale Conosco
Se Deus é por nós, quem será contra nós? Rom. 8:31
Fale Conosco
Entre em contato: (11) 2093.1636
ou pelo email: contato@saopaulovirtual.com.br
Zona Leste Web © Todos os direitos reservados.
 
 
Redes Sociais
     
Nearly is remember the actual call. Here an additional instance of the call which replica watches uk having a short immediate associated with preliminary misunderstandings, though rolex replica uk ought to show legible as soon as the first is familiar with this. As the breitling replica sale is actually hectic with regard to just exhibiting several hours, min, as well as mere seconds, it a style method which produces curiosity as well as an impact associated with dynamism. Quite simply, it is such as the reverse associated with Bauhaus. SevenFriday or even hublot replica tend to be types of cheap replica watches within the prices community which prefer to consider this method. The actual three spoke guiding wheel shaped disk within the middle signifies the actual several hours using the white colored base, and also the buy rolex watches skeletonized rolex replica sale hands ought to be very easily distinguishable in the capturing mere seconds hands whenever observed in individual.